04 junho 2005

O sagrado coração de Jesus

acrílica sôbre tela - Jôka P.

Sandro de Jesus está no ônibus há quase uma hora.
Atravessa o Tunel Novo em direção à Copacabana, debaixo de uma chuva federal.
Chega atrasado ao prédio da Avenida Atlântica e sobe apressado as escadas de mármore negro.
Oitavo ou nono andar.
Toca a campainha da direita, torcendo para que ninguém atenda.
Um homem magérrimo e branco como uma vela, abre a porta com um copo de grapette na mão.
-"Be welcome !"- miou o velhote.
Sandrinho de Jesus respirou fundo e entrou.
Naquela sala estranha, tirou toda a roupa.
E ofereceu o que ainda tinha conseguido guardar de si mesmo.
Era um olhar seco, de cansaço. De um viver que ele já tinha pago.
Como um sofrimento de espera.

3 comentários:

Angela disse...

Jôka, este seu texto tem outro clima, diferente dos anteriores. É denso e mostra um outro lado da realidade, uma das outras faces de Copacabana.
Saudações da Ursa :))

Anônimo disse...

me dá o telefone do sandro.
auika
chloè

Jôka P. disse...

Angela, este texto é meio sombrio mesmo... Porque nem tudo é sol e praia em Copacabana.