14 setembro 2005

Janaína, a Índia do Julliu´s Bar

As fotos desse post foram feitas durante as gravações do filme "Julliu’s Bar", dirigido pela jornalista Consuelo Lins.
O documentário apresenta a vida de travestis e transformistas moradores da Baixada Fluminense, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.
O bar do Júlio, em Nova Iguaçu, é seu ponto de encontro: lugar onde deixam de lado o preconceito e a violência sofrida no dia-a-dia para namorar e se divertir.



A idéia de realizar o documentário surgiu quando Consuelo viu, em uma reportagem no jornal, o travesti conhecido como "Índia".


A Índia era um homem que, aos cinqüenta e poucos anos, pai de uma menina adolescente, resolveu terminar seu casamento, e travestir-se de mulher.

Deixou crescer os cabelos, injetou silicone nos seios e adotou o nome de "Janaína, a Índia do Brasil".

Consuelo interessou-se imediatamente por Janaína, ícone da discriminação e da exclusão social brasileira.
Os travestis e transformistas não se intimidavam com as câmeras.

A Índia também estava lá, divertindo-se tanto quanto as mais jovens.

Janaína, a Índia do Brasil, faleceu por causas naturais, poucos dias antes da primeira exibição do filme, no Festival "É Tudo Verdade", no Centro Cultural Banco do Brasil.



Ela estaria feliz ao ver que o filme que retrata sua vida ganhou muitos premios em diversos festivais de cinema e vídeo, no Brasil e no exterior.

21 comentários:

Angela Ursa disse...

Jôka, muito interessante a história da índia Janaína, da floresta urbana. Que pena que ela faleceu antes da estréia do filme! Beijos da Ursa :))

Renata disse...

nossa, que história interessante. fiquei curiosa.

beijos!

renata disse...

Jôka, tô aqui sem chão com o seu carinho... Que felicidade e amei a sua oferta. Assim que eu chegar em casa vou falar com o Marcelo e te ligar. Um beijo grande no seu coração. Hoje vc me deixou com o coração transbordando de alegria!!!

Ana D disse...

Eu acho q a coragem mudar, dar uma guinada, ir contra os padroes e assumir o q faz feliz, vale ser regsitrado num documentario...personagens assim merecem :) abraço Jôka :)( e a chuvinha e frio neste Rio continuam :)

Diana disse...

Bom Dia Lord Jôka P.

Bom conhecer essas histórias desse
nosso Brasil.....
Continue......
Bjs....

Janaina Staciarini disse...

Nossa, bacana a iniciativa né? Quero ver... Beijos.

Hopes and fears disse...

Que pena!
...Histórias fantásticas do povo mais interessante do mundo!
Abraços!

Jôka P. disse...

Queridas amigas
ANGELA,RENATA TAIA,ANA D.,Lady DIANA, JANAINA STACIARINI e EVERYTHING,
tive o sorte de nascer em uma família que pode me dar boa educação , saúde e que teve recursos para me fazer sempre feliz.
Fui um privilegiado em poder morar bem e em uma das cidades mais bonitas do mundo.
O objetivo da nossa página Av.Copacabana não é apenas mostrar as belezas incontestáveis de cartão postal do Rio.
Queremos tentar expor também que existem aqui muitos seres humanos que têm enormes dificuldades.
E que por suas diferenças contrastantes e por falta total de recursos sofrem muito com a discriminação e a exclusão social.

Se pudermos mostrar essas pessoas com o respeito que merecem, e ainda discutirmos sobre o que se pode fazer para tentar melhorar ainda que um pouco as suas vidas vou ficar mais feliz, também. Todos nós sabemos que o Rio não é só mulher bonita, carnaval e futebol.
Vamos olhar bem de frente e ver as pessoas que embora excluidas, estão bem perto de todos nós. Muitas vezes estão ao nosso lado.

Eu gosto de gente.
Gente é o que me importa.
E não troco gente por nada.
Nem por água de côco.

Obrigado pelo carinho de vocês.
:)
JÔKA P.

Palpi disse...

O mundo é cheio de histórias; e uma mais doida do que a outra. Mas no fim todos querem a mesma coisa: ser feliz. E melhor do que assistir a história, ela a viveu. Isso é o que vale.
Beijo, querido. Feliz quarta.

Mônica disse...

essa Avenida realmente é show, viu????? lado A e lado B transitam por aqui numa verdadeira exposição da realidade do RJ.

grande beijo, boi bandido do meu pasto!

luma disse...

Depois que li seu comentário aqui, fica difícil acrescentar mais alguma coisa. São histórias de vida, vida que deve ser vivida com dignidade e respeito. Beijus

Laura disse...

Gosto da sua Copacabana ou Rio com seu lado obscuro. Tbm gosto de gente mais que de bicho:)
é uma provocação hihihi

Márcia(clarinha) disse...

meu querido!!
como sempre vc falando sobre gente que faz,que não se intimida,que não foge da raia.....bela homenagem a uma pessoa que só queria ser feliz!!!
pena não ter podido se ver na telona...
lindo dia frio !!!!!
beijosssssssssssssss

Lu OlhosdeMar disse...

como vc tem coragem de chamar o meu NATURA-LOREAL de Koleston???? morri.

Lia Noronha disse...

Jôka: vc sempre retratando as histórias de pessoas interessantes!!!
O Avenida valoriza a essência do ser humano.
Um beijo carinhoso e boa quarta-feira.

franka disse...

que coisa, né joka.
eu acredito nisso. no futuro, a gente pode ser qualquer coisa.
ainda bem.
ô delicia.
beijo!

Jôka P. disse...

FRANKA,
ser qualquer coisa que se sonhar... mas só no futuro ?
Quero AGORA !
:) Bjs, JÔKA

Liliane disse...

Cada qual faz o que quer. Pra que julgar? Deixa pra lá. Acho que pior foi esperar 50 anos para se assumir.
Liliane

Jôka P. disse...

Dra. Liliane Paulamar,
ainda bem que a Janaína viveu sua verdade a tempo.
Virou a tão sonhada índia e babau...foi pro andar de cima.
Bjs, JÔKA P.

Vera Fróes disse...

Eu respeito as escolhas das pessoas. O que vale para mim é o caráter e se o coração é bom, porque isso é a essência da pessoa. O resto...é o resto.
Bjos.

Jôka P. disse...

Depois disso não é preciso nem dizer mais nada...
Vera, você disse TUDO !!!
Obrigado !
:D