07 fevereiro 2007

Giselle, a espiã nua que abalou Paris


Photobucket - Video and Image Hosting

Jôka, vc que é fã de pulp fiction, me ajude:

Brigitte era a espiã que incendiou Paris?
Ou esta era uma tal de Giselle?


Olga,
Giselle Montfort foi a espiã nua que abalou Paris em chamas.
Era uma série de 4 volumes em pocket-book, lançada com muito sucesso pela Editora Monterrey no final da década de 60, e relançada várias vezes depois, algumas delas em um único volume.
A autoria dessas memórias era atribuida à própria heroina.


A saga emocionante narrava as aventuras da corajosa e bela francesa Giselle lutando na segunda Guerra Mundial pela resistência contra os nazistas.
Ela usava – além da astúcia - o seu corpo espetacular para seduzir e aniquilar os chefões alemães.

Algumas vezes inoculava uma capsula de veneno mortal na própria vagina, o que causava uma terrível morte instantânea nos taradões germânicos.
Giselle morreu no último capítulo.
Foi fuzilada nua, gritando "Vive la France !"


Com a imaginação inesgotável, o escritor espanhol ANTONIO VERA RAMÍREZ - sob o nome de Lou Carrigan – criou Brigitte, a filha de Giselle.

Criada nos Estados Unidos, tornando-se uma jornalista belíssima, famosérrima, muito rica, de renome mundial e premiada com o Pullitzer.


Essa mulher de beleza deslumbrante é portanto Brigitte Montfort, a filha de Giselle Montfort, que além da carreira jornalistica tornou-se a corajosa e invencível espiã “Baby” da CIA.


Ilustrações - Benicio

26 comentários:

Angela Ursa disse...

Jôka, a sua querida heroína Monfort foi contemporânea do Inspetor Maigret? Beijos e carinho da Ursa

Lila disse...

Bom dia Jôka! ah..então Brigitte era filha de Giselle!
beijos

Taia disse...

E eu que só conheço estes livros através de vc, gostei mais ainda de conhecer a história deles.
Vontade de ler agora, aff.
Beijoca Jôka.

eduardo disse...

A sensualidade como arma... Eu quero ler esta saga de espiãs....

janaina de almeida disse...

Jôka, você é cultura, estou com curiosidade de ver essas histórias...
Caso eu encontre eu te aviso.
Beijos,
Janaina de Almeida, Vila Isabel.

Janaina Staciarini disse...

Eu nunca li...
Deu vontade.
Jôka, conta uma história? Hehehe
Beijão!

ana de toledo disse...

Kristal vai adorar essas histórias!

Alziro Patafisico disse...

Brigitte & Giselle. Que família!!!
E Brigitte bem que podia ter uma filha e continuar a linhagem de heroínas sexy e misteriosas.
E as capas são mesmo de arrasar.
beijos

DO disse...

Achei muito interessante,JÔKA!!
Abração!!

Wilton disse...

Olá!
Caro Amigo Jôka, é sempre com enorme prazer que faço uma visita em seu delicioso blog. Seu post está muito bom, aliás, como sempre está.Querido amigo tenho mergulhado no mundo editorial e sempre encontro coisas interessantes,como por exemplo,soube outro dia, que Gisele: a espiã nua que abalou Paris, na verdade foi uma produção ficcional escrita pelo jornalista David Nasser, com a colaboração do fotógrafo parisiense Jean Manzon.Circulava no Diário da Noite, um dos veículos dos Diários Associados; serviu de alguma forma para aumentar bastante as vendas do jornal e concorrer com o folhetim produzido por Nelson Rodrigues, que escrevia sob o pseudônimo de Suzana Flag.
Na década de 60, os direitos foram adquiridos pela Monterrey.Um grande e afetuoso abraço do vizinho e amigo.

Tina disse...

Jôka,

Gostei de saber.

ET:Adorei sua foto lá na Ursa.

beijos querido,

anna disse...

jôka, gisele seria então uma xoxotocida? vaginocída?

a comentarista disse...

Poxa, se eu soubesse sobre essa série antes teria feito um trabalho do mestrado sobre ela, teria sido bem interessante.

beijos

Jôka P. disse...

Anna !
Giselle Montfort seria uma xoxoticida ? Uma vaginocida ?
Isso é uma esculhambação ginecológica !

Jôka P. disse...

Wilton, que informações importantes e bacanas você trouxe pra gente !
Então foram o jornalista David Nasser, com a colaboração do fotógrafo parisiense Jean Manzon os verdadeiros autores da saga de Giselle Montfort, para o Diário da Noite !
Muito obrigado pela visita e por esse toque, viu!
Um grande abraço !

Lia Noronha disse...

Jôka; vc contou com tanta empolgação...que ficamos querendo conhecer o livro...e toda essa verdadeira saga!!!Beijos bem carinhosos diretamente do meuCotidiano.

rafal disse...

gostei do seu blog :)
abracos da congelada Polonia

Jôka P. disse...

Valeu, Rafal - da congelada Polonia !
Abraços e apareça !

Pequena disse...

oi...
achei seu blog numa pesquisa do google e fiquei muito interessada na história das Monfort.
Você poderia me dizer onde eu poderia encontrar tais obras?
Obrigada!

Gisele disse...

Ola..
Assim como a colega ai de cima, eu encontrei esse blog numa pesquisa do google! Estava a procura da historia q envolve o meu nome...rs...E assim como meu pai disse, ele tirou meu nome da capa de um livro (de bolso), Giselle a espia nua q abalou Paris...Adorei !!!!!

Bj

Gisele Claudya disse...

E eu tb acho que me chamo Gisele por causa desses livros que o meu pai adorava ler nos anos 60, quando nasci.
Beijocas

Giselle disse...

ola boa noite a todos , gostaria de saber onde posso encontrar o livro de Gisell pois, como muitas outras meu nome tambem foi inspirado no livro,quero baixar ou comprar mas não acho em lugar algum.
obrigado

Anônimo disse...

Olá Joka, comecei ler Brigitte Montfort am 1978, com 14 anos. Meu pai tinha quase todos os exemplares da série vermelha (aquele "selinho" acima a esquerda) e todos da série azul. Pedi e ganhei dele todos os exemplares. Com esforço consegui todos os exemplares e acho que sou o único brasileiro a conseguir tal façanha. Perdoe-me se pareço convencido, mas ainda fico emocionado quando falo de minha coleção.
CELLO.
joaomarcelosagres@gmail.com

Gi Paiva disse...

Meu nome veio desse livro. Meu pai sempre "devorou" livros e me contou que foi esse que o inspirou. Um nome lindo realmente, modesta parte!rsrsr... Gostaria muito de lê-los, onde posso encontrá-los?
Grande abraço!

ds disse...

Graaaande Benício. O que seria destes pulps sem suas capas?

dylan ricardo disse...

Caramba! eu li! Perigo entre crisantemos! me lembro da capa. Eu era beeeeem mais jovem. Acho que li na primeira metade dos anos 80.
Abracos :)