17 julho 2009

A bondade de estranhos.

Voltando pra casa, de noite, tomei um tombão bem na esquina da Av. Copacabana. Estava esperando o sinal abrir, carregando umas vinte sacolas de supermercado e de repente, assim, do nada, caí pra frente. Me estabaquei como um mamão maduro. Foi como se alguém tivesse me empurrado - mas não havia ninguém atrás de mim.
Fiquei ali, de cara no chão, as compras todas espalhadas pelo asfalto. Pão de forma, macarrão, mil latas de refrigerante, enfim, essas coisas que a gente come quando acha que está podendo se encher de carboidratos.


Uma mendiga que passava, parou e me ajudou a catar tudo. Até me deu uns sacos plásticos, porque os meus arrebentaram todos. Perguntou se eu tinha me machucado, se estava bem, e tal.
Eu estava tão envergonhado. E machucado e vulnerável. Fiquei comovido com aquele gesto de carinho e generosidade. Acho que ela era um anjo disfarçado.


Estou contando isso porque quem vem aqui e não me conhece, pensa que eu vivo sempre em uma paisagem mágica e que o meu universo é povoado por seres extraordinários. Mas não é.
Esse blog é o meu parque de diversões. Aqui não é a vida real, é só uma vida que eu finjo que vivo. E o Jôka P. que vocês imaginam, é uma imitação de mim. Porque nem tudo é o que parece. Pode até parecer, mas não é.

34 comentários:

Avassaladora disse...

Cair na rua é o ó!!! Já caí várias vezes, uma delas até desmaiei... cruzes!!!
Tomara que você esteja melhor e não tenha mãos e joelhos ralados...

tertulías disse...

Anjos urbanos (quase um novo título, né?) existem.... acredito neles....

Leticia disse...

Cair na rua é, das situações corriqueiras, talvez a que mais nos deixe vulnerável. E não dá pra saber o que é pior: o tombo em si ou nossas coisas, nossas intimidades, ali, rolando pela rua.

Machucou muito, Jôka? Espero que não. (Você deu uma latinha de refrigerante pra ela?...)

E é muito bom saber que existe gente normal, nessa net cheia de portentos intelectuais e sociais e sexuais.

Ass.: uma idiota que no domingo torceu o pé em casa a troco de nada.

Ritoca disse...

Lindo este post, Jôka. Gostei muito. Claro que não estou me referindo ao tombo, mas ao seu desabafo. Espero que vc não esteja machucado. Na vida, os gestos de generosidade frequentemente vem de quem menos se espera. E, normalmente, das pessoas mais simples.

Bjs e um ótimo finde!

bueno disse...

Muito legal essa postagem. Lá do fundo... Um beijo. Estou triste a Opala (minha cadela) nao está muito bem.

Anônimo disse...

Puxa, Jôka, apesar de passar sempre por aqui e quase nunca escrever, hoje não resisti. A coincidência foi muito grande e os sentimentos seus foram os mesmos meus. Explico: ontem, eu também levei um tombo na Av. Copacabana - longe de sua área, perto da Miguel Lemos. Um tombo nos deixa tão vulneráveis, com uma sensação de, literalmente, "estar na sarjeta"... E não é que eu também tive um bom anjo? Um rapaz de uma delicadeza tão grande, que me ajudou a levantar, me levou até uma pequena lanchonete, me fez sentar, pediu um copo de água para mim e me disse que não era para eu estar sem-graça (como ele sabia que era assim que eu estava?).Tudo isso olhando nos meus olhos. Só depois de me ver bem, ele partiu. Pensei muito nele ontem à noite e gostaria de ter perguntado o seu nome, o que idiotamente, não o fiz.
O que me consola: 1º-saber que anjos da guarda existem; 2º-que não sou só eu a levar tombos!

De qualquer modo é bom que façamos fortalecimento muscular.

Um abraço,
Cristina, nascida e criada em Copacabana

Márcia(clarinha) disse...

Sabe pq naquele momento havia um anjo para lhe amaparar e cuidar da sua fragilidade?
Porque JÔka P. é homem querido e humano, é um amigo solidário e gentil, é uma pessoa que gostamos de estar junto, que sabe rir e chorar, que oferece seu ombro sempre que alguem precisar, por isso JÔka, aquele anjo disfarçado de mendiga estava ali...
Está tudo bem com vc?
Cair na rua é a pior sensação.

Fica bem meu querido amigo.
beijos com carinho em Gigi

Laura disse...

Nossa, Joka, e voce esta bem? Se arranhou? O ruim de cair na rua eh que a gente termina ralando os joelhos, as maos no asfalto, ne?
Ainda bem que tinha alguem por perto pra te ajudar.
Estou indo pro Brasil amanha, nao vou passar pelo Rio, se nao eu marcava pra gente se encontrar.

Beijos

Jôka P. disse...

Cristina, será que rolou uma espécie de “Tombão Coletivo” aqui em Copacabana ?
A gente caiu praticamente juntos, na mesma avenida, no mesmo dia e quem sabe até na mesma hora ! Ainda bem que os nossos anjos da guarda são fortes e poderosos.

Flavinha Avassaladora, Ricardo Tertúlias, Letícia, Ritoca, Claudionor Bueno, Marcia (clarinha), Laurinha... eu estou bem, foi só um raladão, um machucadinho bobo, nada grave. Mertiolate e band-aid, vapt vupt, passou !
Pior do que o susto e o vexame, foi que a minha calça jeans favorita (sabe “aquela”?) ficou com um buracão no joelho.
Obrigado pelo carinho e por suas mensagens !

Diz disse...

Puxa, rasgou até a calça, tadinho :(
é Joka, os anjos existem e são humanos, ainda há gente legal, ainda mais numa cidade cheia de humanidade como ai-somos um povos cordial e solidário, nós brasileiros.
Se cuide.
Bjs Laura
PS: acho que era uma mendiga, sim, são solidários, sabem o que é estar exposto na rua- a exposição na gente dói, constrange, né?

Diz disse...

Está vindo nosso amigo PP no Som e furia. Uma delcia, estou gostando mto.
Laura

Angela Ursa disse...

Jôka, ainda bem que a anja apareceu para ajudar você! Eu acredito em anjos. E fiquei aliviada de saber que você não se machucou, teve apenas arranhões. Beijos e muito carinho da Ursa!

Diz disse...

A gatinha não apareceu, acho que a roubaram... melhor pensar assim :(
estou só com o gato agora, anda triste, só dorme, antes brincavam bastante.
obrigada querido :)
bjs, elianne

Olga disse...

É nesses trompaços desmoralizantes que a gente descobre o quanto as pessoas são delicadas e solidárias, né, Jôka.
Beijo, espero q vc não tenha ficado machucado.

dudv disse...

Joka, achei o seu post muito humano e bonito. Lembrou de um pensamento que tive por esses dias: O ator interpreta papéis conscientemente, enquanto o indivíduo faz isto sem perceber, muitas vezes.

As personas que construímos ao longo do tempo fazem parte de nossa individualidade.

*Lis* disse...

Eu levei um tombão outro dia desses... mas não foi nada, assim... visível... Você entende, eu sei. E entende por isso mesmo, porque é humano, sabe que nada é o que parece (ou pelo menos não o tempo todo), sabe que é preciso estar atento e forte, mesmo quando todas as nossas compras se espalham pelo meio da rua... Ah, sim, eu ainda gosto de uma metáfora...
Uma vez, quando caiu uma grande chuva e fechou todas as ruas, eu estava voltando da Argumento, caminhei, caminhei, caminhei, a caminho de casa... Fui escapar das ruas cheias e caí na esquina da Toneleiro com minha rua... Eu ri tanto, que todo mundo que fugia da chuva ao meu redor riu também... E me ajudaram, e foi lindo!
Você tá bem, não está? E quanto à calça, back to '80, nada como um rasgado no joelho!
Saudade, beijo pra você! Que é lindo (do que eu vejo e não vejo) e que eu adoro!

D. disse...

Jôka, que lástima! Eu tenho minhas esquinas propícias aos tombos. Já caí sentada duas vezes alí na Alberto de Campos em Ipanema. Também uma vez na estação Cantagalo do metrô... ninguém me socorreu, não. Mas nem me machuquei. Espero que vc também não! ;)

Mari disse...

Jôka,
Machucou??
Eu, realmente, acredito nos anjos urbanos. Totalmente Wim Wenders mesmo!!
Que bom que vc pôde agradecer, Jôka!
E se levantar!!
Para nos encher com essa sua doçura!
Bjosssssss

Phophina disse...

Jôka, literalmente um beijo no asfalto! Estranho, mas às vezes tem que ser e eu acredito que rolou um empurraozinho sim. Ainda bem que a moça te ajudou, pobre mas com coracao grande. Pena a sua calça, o buraco fica de lembrança. Se cuide! Também já levei uns estabacos por aqui, às vezes por causa do gelo, mas às vezes por nenhum motivo definido. É bom pra gente aprender a se levantar e sacar como somos frágeis e ao mesmo tempo fortes. Boa semana! Phophina

Janaina disse...

Jôka isso aconteceu comigo aqui no Grajaú ao sair de um banco e tropecei com toda a força e fui amparada por um senhor.Mas a sensação parecia que alguém havia me empurrado mas não tinha ninguém atrás de mim...que estranho.
Beijos.

Mônica disse...

como eu te conheço sei bem o que esse blog aqui significa na real pra vc...

qto ao tombo, espero mesmo que não tenha se machucado...mas de qq maneira, toma arnica....rs

saudade de tu, querido!!! vamos armar um calçadão qq dia desses?????

Liliane de Paula disse...

Puxa Jôka, se vc caiu mesmo eu ia lhe ajudar a levantar e juntar as coisas das sacolas. Mesmo que eu estivesse passando de carro.
Estou sem tempo de vir por aqui, mas vou me organizar melhor e ler todos as postagens anteriores. Faço isso pq me faz bem.
Beijo

Cláudia disse...

to morrendo de rir...(desculpe) mas apesar de ser cruel, tá aí uma coisa que me descontrola...é presenciar um tombo...não aguento. Me mato de rir.
Claro depois acudo a pessoa. Nem sou tão desumana assim.
Rs...

Beijos...afinal...vc. disse que é outro...qual dos dois vem mais aqui?????

Tina disse...

Oi Jôka!

Espero que não tenha sido nada demais. Tombos são horríveis - eu que o diga - já levei vários e tenho pavor dos mesmos.

Anjos existem, tomam conta da gente. Creia.

beijos meu amigo, fica bem.

anlene gomes disse...

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima... Outro dia me estabaquei, sem testemunhas oculares. era um dia de chuva e simplespente derrapei e esparquei... fui bailarina por um segundo kkkkkkkkkkkkk o dia seguinte nem te conto! bj

Luma disse...

Jôka, eu sempre encontro anjos pelo caminho!! O mundo real é aquele em que você deposita todas as suas alegrias reais. O virtual tem sentimento, viu? Amore, tem recadinho pra você no DO http://www.ramsessecxxi.blogger.com.br/
Eu juro que não tenho nada com isso!! Feliz dia do amigo!! Beijus

DO disse...

Felizmente vc não se machucou e foi só um big susto,né?Mas imagino o constrangimento!!

De qualquer forma,foi mesmo um anjo que estava por perto.

SEMPRE tem um!!

Abração!!

Ah,não estou conseguindo entrar no seu blog pelo IE e tive que apelar ao FIREFOX pra te visitar.
Desculpe a ausencia,JÔKA!

Lu Toledo disse...

Jôka, desculpe, mas eu ri quando você contou do tombo. Gente burra tem dessas coisas, ri com a desgraça alheia. Depois me arrependi. Você abraçou a moça em sinal de agradecimento? Devia.

Chris Pessoa disse...

Machucou, Jôka?! Ainda bem que teve alguém pra te ajudar... Bjos!

Páris Alexandre disse...

Porra Jôka.
Desculpa-me os palavrões mas...
que post fodão! Bom demais.

De vez em quando é bom sentir um quê de humanidade no outro, especialmente em tempo de relações virtuais.

sem mais...

Sweet! disse...

Lindo post, sem dúvida, Jôka

Sonhar é Preciso disse...

Quando morava em Copa, vivia caindo do nada e a sensacao que eu tinha é que fui empurrada pelas costas. Acho que aí tem ghost. Pode ser da Carmem Miranda !

Monica Araujo disse...

São muito ruins e perigosos estes tombos Jôka. As vezes estamos dispersos e acontecem acidentes inesperados que podem trazer consequências sérias. Já escapei algumas vezes de atropelamentos por um triz, apenas por estar absorta em meus pensamentos pelo caminho. Espero que te encontres bem e gente solidária é mais comum do que podemos imaginar.

Beijos carinhosos para você e um aconchego para o seu dodói!

Marcos Dhotta disse...

...Ainda bem que seu Tombo foi amparado por um anjo. Tua aura é multicolor meu bem. Essa troca é para poucos querido. Aquela coisa...Céus e Terra conspiram ao teu favor!