29 outubro 2009

Toy Boy


Às vezes fico na dúvida: não sei se não tenho identidade alguma ou se na verdade tenho muitas, tal a minha capacidade de me virar do avesso e de me reinventar.
Houve um tempo em que era moda dizer: “Só me arrependo do que não fiz”. Esse arrependimento eu não tenho. Olhando pra trás, vejo que sempre fiz tudo o que fiquei a fim de fazer. E continuo fazendo.
A minha ordem de prioridades é essa: primeiro eu, depois eu e por último, mas não menos importante, eu também. Nunca esperei pouco da vida, e ela me deu tudo o que poderia dar, de bom e de ruim.


Esse papo aqui é com você, que ainda há pouco reclamou comigo no telefone, que eu não tenho atualizado mais o blog, e tal. Taí.
Você, que, queira ou não, agora já faz parte dessa história que se passa em Copacabana. E que acabou desmentindo a máxima de Elie Wiesel, que um dia disse: “Depois de tudo o que já vivi, nada que me aconteça poderá me fazer muito feliz, nem muito infeliz.”

Ilustrações - Jôka P.

7 comentários:

Alziro Patafisico disse...

Vixe Maria que o assunto dessa vez parece ter ficado muito sério. Vou nem perguntar nada....

Alziro Patafisico disse...

E simplesmente AMEI as ilustrações!!!

Cris Carriconde disse...

Uia. Faça de conta que não estou aqui metida nesse papo de meninos.
Só vim gritar e assinar a caderneta de presença :)

Angela Ursa disse...

Jôka, vim fazer uma visita e deixar beijos! :))

Márcia(clarinha) disse...

Não pude deixar de ouvir, na verdade, gostei de ouvir...
Essa é sua marca registrada, seu up, seu glamour, esse é JÔka P. o cara que faz e assina embaixo [ou em cima, ou do lado]
Loviú meu querido.
Recado dado e mandou muito bem, rss.
beijos em Gigi com um carinho DESSE tamanho.

eduardo disse...

Sinceramente... SENSACIONAL.

Polly Etienne disse...

Jôka, vc é hilário!
as ilustrações dos seus posts são sempre tão bacanas, o conteúdo ácido é uma delícia de ler!!!
bjao