02 julho 2005

As aventuras de Brigitte Montfort


Na década de 70, ainda adolescente, eu era fã de uma coleção de livrinhos pulp-fiction, vendidos em bancas de jornais.
Gostava de ler ZZ7-As aventuras de Brigitte Montfort, a "Baby", mestre dos disfarces, inteligentíssima, poliglota, corajosa, milionária, bela e poderosa espiã NúmeroUm da CIA.

As aventuras emocionantes eram publicadas mensalmente pela Editora Monterrey, com as capas lindíssimas do ilustrador Benício.

Através dessas capas percebi que eu também sabia desenhar, e que um dia seria um artista plástico.


Cheguei a colecionar mais de trezentos livrinhos, mas depois fui me desfazendo deles.

Mesmo assim ainda conservo uns poucos, já bem detonados pelo tempo...

Essas imagens de algumas das minhas capas preferidas, me acompanham como referência estética por toda a vida.

46 comentários:

Angela disse...

Jôka, muito interessante a origem da sua inspiração para as artes :))

Palpiteira disse...

Muito legal dividir conosco. Eu nem sabia da existência dessas coisas.
Ah, e eu nem sabia que vc era artista. Pensei que só fosse arteiro...rs.
Beijos.

Anônimo disse...

giselle montfort é a deusa de meus sonhos. quando descobrí que elq era fictícia virei a casaca. chloè

Jôka P. disse...

Meninas, vocês são tão queridas !!!
Legais são vocês, viu ?! :)

Joao Pedro Carvalho disse...

Que delícia me lembrar disso, li todos os livrinhos da Brigitte Montford e da mãe Gisele. Meu pai gostava, comprava e eu colecionava.
Infelizmente se perderam pela vida mas vc soprou essa cinza na minha memória cara.
Que bom lembrar do Champagne Don Perignon (me esqueci a safra).
abraço

Jôka P. disse...

João Pedro,
o champagne de Baby Montfort era o Dom Perignon safra 55, com duas cerejas, viu ?

A pistola dela era minúscula e de cabo de madrepérola. Ela colava a arma com esparadrapo côr de carne na parte de dentro de suas coxas espetacularmente bem torneadas.

Sua maleta inseparável era uma frasqueira vermelha com minúsculas flores azuis e estava sempre recheada de truques, disfarces e de armas secretas.

Seus ajudantes pelo mundo afora eram os Johnnies, precaução que Baby tomava de nunca saber os nomes deles, para não revelar aos inimigos caso fosse torturada ...

Seu amante e grande amor chamava-se apenas Número Um. Era uma espécie de Big, do Sex and the City - vinha e sumia, quando dava na telha...

João Pedro, agradeço a sua visita e espero você mais vezes aqui na Av. Copacabana, tá ?
Um abraço,
JÔKA P.

Ariane disse...

Don Perignon 55, Mounsier Nez, Tio Charlie, Número Um ou Clark Coleman ou Angelo Tomasine, La Villeta, em Malta, Baby e seus Johnnies acompanharam boa parte da minha adolescência. Eu vibrava quando "ele" aparecia e achava demais o relacionamento em que o amor dos dois nunca foi colocado em dúvida, mesmo com cada um tendo sua vida. Tudo era o ideal, não? A beleza, a inteligência, o poder, a precisão, a perfeição de formas e objetivos. Bom demais encontrar alguém que tenha curtido tanto quanto eu as aventuras de Brigitte Montfort, a filha de Giselle, a espiã nua que abalou Paris. E também o trabalho de Benício, cujos traços inspiraram muita gente. Nem sei como o achei, mas é certo que vou passar um bom tempo lendo seu blog. Pelo pouco que vi estou certa que vou gostar. Um grande abraço. Ariane.

Anônimo disse...

Na verdade, os livrinhos da Brigitte Montfort tiveram um papel fundamental ao despertar meu gosto pelas mulheres fatais. O texto, em si, não era grande coisa, mas a fantasia da linda mulher faixa-preta de judô, que ao mesmo tempo que derrotava seus adversários esbanjava sensualidade e exibia lindas formas...uau !!!!

Anônimo disse...

A minha admiração por "Baby" Montfort me tornou, na época, apreciador de champagne... com 2 cerejas no fundo da taça, claro!
Por outro lado houve uma aventura, ambientada em um país europeu (Grécia ou Itália), na qual ela se sentava em uma mesinha de bar ao ar livre e pedia um caneco de cerveja geladíssima para amenizar o calor escaldante. Eu era adolescente, não tomava cerveja, mas comprei uma garrafa imediatamente e a despejei em um caneco, sorvendo-a com prazer. Tornei-me, a partir de então, fã da bebida. Pra quem está curioso, não, eu não sou alcoólatra (Baby não era, né?) rsss.
Júlio.

Anônimo disse...

Mas ninguém mencionou o editor do jornal "Morning News", Mike Grogan... o colega jornalista bonitão e pateta, Frank Minello, que era apaixonado por ela... a empregadinha loira Peggy... e o seu cãozinho chihuahua (desse eu não me lembro o nome)...
Bons tempos!
Júlio.

Anônimo disse...

Nossa! Hoje de manhan eu estive falando pelo telefone com uma amiga que mora na Alemanha ( e eu na França) e lembramos das aventuras chic e tenebrosas da filha de Gisèle, a espian nua que abalou Paris! Sao coisas que falando com gente que tem menos de 25 anos eles devem pensar que estamos a falar de uma deusa da mitologia grega.Hahaha. Eu adorava ler os livrinhos da Brigitte. Logo entao corri à internet e googlei "brigitte montfort" e seu enlace foi o primeiro da lista. Obrigado. Quem foi que disse que a lembrança é o tesouro escondido da juventude?

Jôka P. disse...

OBA !
Obrigado por suas palavras e pela visita !
:)

jose roberto disse...

desculpe os erros de ortografia, mas até um simples pedreiro de quarenta anos, amou brigite montfort, pela beleza interior e tambem pela inteligencia, que tinha para solucionar todos os problemas causados pelos vilões.
obrigado pela oportunidade.

Anônimo disse...

foi pela paixão pelas aventuras de Brigitte e pelo trabalho desempenhado pelos johnnies que entrei para o serviço de investigações. Ela foi, e sempre será, minha musa. Pensei que era o único a curtir nossa deusa e agora vejo que somos uma grande família.
Por acaso estou aqui no Rio, se der parra te encontrar e bater um papo vai ser muito legal.
Abraços

Anônimo disse...

Estou à procura dos livros da série ZZ7 - as aventuras de brigite montford...

onde posso encontrar, to querendo no mínimo uns dez...

Abraços,

eri.efs@hotmail.com

Erivaldo.

Maya disse...

Uaaaaauuuuu que felicidade lembrar especialmente do NÚMERO UM.......uuuuiiiii eu quero ele !!!!! rsrsrsrsrs

Isaias disse...

O nome do cachorrinho do Brigite era Cicero...

eloiza disse...

Que legal saber que mais alguém também curtiu e curte a inimitavel Brigite.Sou detetive particular (sei que não se compara rs)mesmo assim ouso dizer que ela me inspirou bastante.
Obrigado a você Jôca, um super abraço

Maniac Man disse...

Sou mais um dos que curtiam ler cada página das aventuras da Baby. Eu tinha certeza q a safra do Dom Perignon era 65 mas como memória não é exatamente meu melhor atributo, devo estar enganado.
E as capas que me hipnotizavam... (nem sabia o nome do artista). Nossa! Bons tempos aqueles, apesar daquela inflação maluca...Abraço

Anônimo disse...

Nunca me esqueci do livro "O Mar da Tristeza Infinita", marcou a minha adolescência.

Bons tempos, ótimos bolso livros.

Lalinha disse...

"Gentem"... maravilhoso saber que tenho muitos companheiros de lembranças. Vocês não imaginam como a Briggite alimentou meus sonhos de juventude sobre uma vida de aventura!!! Obrigada por "refrescarem" minhas lembranças!

chimi disse...

Alô fãs de Brigitte! Assim como vcs, também li todos os 500 exemplares das aventuras.Ainda os tenho,e estou relendo todos.É emocionante voltar àquela época,que não tinha celular e outras cositas mais.Um grande abraço a todos. Mariana-Joinville -SC.

ACC disse...

Nos anos 80 eu li centenas de bolsilivros da AGENTE BABY.Na 2ª Edição livreto nº 55 com o titulo ASSASSINOS INVENCIVEIS, cheguei a lê-lo porém não encontrei a continuação do nº 56, concluindo toda aventura. Onde eu poderia encontrar esse livreto?

Antônio Carlos da Costa
Sobral-ce
Fone:088-3613-1123

Lya Carvalho Jardim disse...

Nossa!!!Que maravilha!Eu colecionei mais de trezentos desses livrinhos,toda semana o jornaleiro guardava um para mim.Essa mulher foi minha fonte de inspiração para milhares de coisas boas que aprendi e apreendi,rs.É uma de minhas lembranças mais querida.
Que saudade de quando a leitura não oferecia apenas entretenimento,oferecia valores para uma vida inteira.Grata por compartilhares essa lembrança com pessoas como eu.

Flávio Jacobsen disse...

Joka, havia tb umas tirinhas em quadrinhos dela no Jornal da Tarde, salvo engano. confere? Que bela lembrança, cara. Maravilha1

Anônimo disse...

No dia de hoje eu estava tentando encontrar os bolsilivros da série ZZ7 Brigitte Montfort e encontrei este blog.Não te conheço mas quero te parabenizar por ter sido um dos leitores da serie azul ZZ7, Brigitte Montfort en ação. Eu era jovem quando li o primeiro bolsilivro desta série e só parei quando não consegui encontrar mais nenhum exemplar usado ou novo nas bancas de jornais.Porquê vc não põe as edições que tem on line para nós podermos ler e faxer download? Abraços.adilsonsamu@hotmail.com. Praia Grande SP

Anônimo disse...

Maniac Man,

Sua memória não está tão ruim quanto você pensa... Lembro de uma estória onde Baby deixa de tomar o Don Perignon 55 e passa a tomar o 65. Acontece que, com a passagem do tempo, há que se atualizar, pois a safra fica antiga. Não lembro mais quem deu a ela essa dica, mas quero crer que foi o Número Um.

Abraço a todos!
Ramon.

Anônimo disse...

Personagem fantástica ! Adorava.
Firmei minha personalidade com Ela. rsrs

NY disse...

Estou um pouco atrasada nos comentários,mas só hoje, depois de anos de caixas fechadas,devido a filhos, mudanças, etc, encontrei meus livros da Brigite, e em busca na web encontrei seu blog, amei saber que muito mais gente curtiu e ainda curte estes livrinhos e eram/são fãs de tão bela criatura, que me levava em aventuras pelo mundo afora, quanta coisa aprendi!

doidin disse...

É uma lástima não encontrarmos mais dessas aventuras nas bancas. Até em sebos já procurei, e nada!
Que saudade das loucuras do Frank Minelo.
Um abraço a todos!

Ivanir - BH

Anônimo disse...

Amava essa série!
Achei muito legal encontrar esse blog e todos os depoimentos!
Dá uma saudade! Abrs.

thyago disse...

Tenho 25 anos mas d descobrir os livros da Brigitte por acaso,fui em uma livraria de rua e comprei 1 revesta de jogos,e nessa livraria vendia livros usados sobrou 1 real e acabei comprando,mas se o Dono soubesse o que ele fez ahha. Me amarro nesses books e queria saber ond posso encontrálos na Net. abraços..!

Anônimo disse...

ai pessoal pago o quanto for pra conseguir esses livros pode ser antigo tbm, weydson.soul@hotmail.com

Celso disse...

Olá, pessoal! Li muitos livros da Brigitte! Era uma delícia ler as aventuras dela! Maravilhosa, linda, perfeita, imbatível, justa! Os bolsilivros que lia eram todos de um amigo, pois eu tinha uns 13 ou 14 anos quando os lia (e não tinha dinheiro para comprar), até meus 17 anos (estou com 50).
Também quero saber como conseguir alguns ou todos os exemplares. Quem puder me ajudar:
mattoscelso@hotmail.com.
Obrigado!

Celso disse...

Em Tempo: E todos os comentários acima sobre nomes e fatos são irretocáveis!

Anônimo disse...

Ahhhh q barbaro o blog falando da irresistivel Brigitte Monfort, filha da Gisele - a espiã nua que abalou Paris- dona dos mais belos olhos azuis, dos cabelos sedosos cor de ébano e da boca sensual esculpida em marmore carrara. Sempre carregando sua inseparável maletinha vermelha com flores azuis (nossa dava um alivio enorme qdo ela estava com a sua maletinha hehehe). Lembro tbm das unhas bem "manicuradas" e do mais lindo e famoso namorado chamado Angelo Tomasini, o Numero 1, q morava na ilha de Malta. nossa.. excelentes lembranças..
Gostaria imenso de reler os 2 volumes do TRANSIBERIANO.
beijos a todos e boas lembranças
:D

André Nascimento disse...

Salve pessoal, que bom encontrar esse tanto de gente que curtiu Brigitte "baby" Montfort. Era impressionante ver o português maravilhoso dos livrinhos. O autor era brasileiro,pelo que soube tempos depois. Vocês já imaginaram o tanto de filmes espetaculares que daria para fazer baseado nessas historinhas? O trabalho de pesquisa que envolvia a história, como lugares,o curso da história, as equipamentos...e diziam que o escritor era compulsivo: figurou no livro dos recordes como o mais produtivo, não sei quantos por m~es ele escrevia. Então, pela qualidade e quantidade, esse homem foi ou é um 'gênio anônimo' da humanidade! Tinha grandes lições de humanidade, cárater, discursso pacifista...Hélio do Souveral, era o nome verdadeiro de LOU CARRIGAN. Por que tão misterioso e pouco falado na mídia? Deveria ocupar a cadeira nº1 da ABL!! Já cheguei a chorar com algumas de suas fantásticas histórias. Ainda vive?

André Nascimento disse...

Só para finalizar: minha maior frustação foi nunca ter encontrado o episódio 51 - OPERAÇÃO ESTRELA, onde Baby conhece Angelo Tomasini (codnome número um).

Mais uma coisa: os títulos das histórias eram bem bonitos e carregados, como: Pomba sem pombal, Camarada Kovenko, Espiral de Ameaças, A casa de chá do Sol Nascente...até hoje na minha mente...Comecei a lê-los através de uma amigos de trabalho em 1987 (mas ele tinha quase a coleção, anos 60 e 70), e ia me esmprestando de vez em quando um. Também encontrava-os com facilidade nos ALFARRÁRBIOS (Sêbos) das grandes cidades. E ainda hoje se encontra.

André Nascimento disse...

Foi um total de 500 episódios, entre 1960 ou 62 até 1990!!! Acho que devo ter lido uns 300 ou mais deles.

Anônimo disse...

Genteeeeee, achei o homi! Olhem aí:
http://www.loucarrigan.com/?page_id=7

divirtam-se

karinhosa45 disse...

Ai que saudades! Brigitte Montfort, filha de Gisele a Espiã nua que abalou Paris!!! Mulher de Número Um...com conexões em todos os serviços secretos do mundo. Excelente jornalista, tudo de bom.

Anônimo disse...

Desde 8 anos de idade leio os livros ZZ7. AMO todas as histórias de Brigitte, sua beleza e personalidade. confesso que foi por causa destas leituras que sempre procurei melhorar meu português. Tudo maravilhoso. sobre os comentários acima, alguém mencionou que jamais leu a Operação Estrelas. Pois eu,que sempre comprava os livros em sebos, um dia tive uma intuição de ir a Madureira, perto de minha casa. Não fui e a ideia fixa persistiu até que, num sábado, fui até o sebo de costume e, lá, encontrei, não um mas três exemplares desta aventura. Um ficou para mim, outro para minha vizinha e outro ainda era para uma prima dela que nunca veio buscar. Então tenho dois livros. Fui uma intuição muito forte. Durante muito tempo sonhei que a conhecia e ao Angelo Tomasini tb rsrsrs

Anônimo disse...

AMAVA GISELE E BRIGITTE. SAUDADES DESTA LEITURA ADORÁVEL. ALGUMA EDITORA PODIA SE INTERESSAR EM RELANÇAR. GARANTO QUE O SUCESSO SERIA O MESMO DOS ANOS 70.

Delgado disse...

Na minha adolescência, lia varios livros de bolso, inclusive de espionagem. O K. O. Durban, o 77Z, com o Horace Young Kirkpatrick, o agente Máscara Negra, da CIA, mas os que mais li, e que mais gostei, foram os ZZ7, só parei de ler depois do nº 400, e me desfiz da maior parte dos livros. Ainda guardo alguns, e pretendo caçar nos sebos, pra tentar achar o nº 500.
Número Um era o amor dela, mas tb tinha amigos, que eram espiões excepcionais; como todos devem lembrar, o alemão Alexandria, o inglês Mister Fantasma, o francês Monsier Nez, eram alguns deles.
Interessante, que nas primeiras histórias onde aparecia Número Um, de Operação Estrelas em diante, ele era descrito como tendo cabelos negros. Só mais tarde passou a ter cabelos cor de cobre. Nunca soube o porque da mudança.

Delgado disse...


Mas alguém disse aí, que o autor era brasileiro, o Helio do Soveral.
Mas até onde eu sei, Lou Carrigan era o pseudônimo do espanhol Antonio Vera Ramírez

Anônimo disse...

Pessoal, amei ter encontrado essa página, e relembrado informações sobre a querida Brigitte Monfort, a espiã idealizada por Lou Carrigan, que, tantas vezes foi a minha "companheira" de adolescência. De alguma forma,a agente "Baby" ajudou a moldar o meu caráter. Obrigada a todos.