25 maio 2008

A música do coração

Sou hipersensível a espetáculos musicais, daqueles da Broadway. Juro. Quando vou à um, quase sempre me acabo, soluço, choro, tremo, fico no bagaço.
Vou confessar: na verdade tenho um fetiche especial com o clássico The Sound of Music - A Noviça Rebelde.
É uma coisa de infância, um troço tão íntimo e poderoso que já viajei até a Áustria só pra conhecer as locações originais da história da família Von Trapp.
Fui à Viena e à Salzbourg, pra ver tudo de perto, in loco.
Até no convento daquelas freiras austríacas eu fui. Bati nos portões e pedi pra entrar.
- Oi madre superiora, tudo bem ? Olha, é o seguinte, eu sou fã da Noviça Rebelde ! Please, deixa eu entrar aí rapidinho, numa boa, só pra dar uma olhada ?
Assim. Tietão brabo.

Hoje assisti a montagem teatral carioca desse meu musical favorito, dirigida por Charles Möeller. Um espetáculo de qualidade extraordinária, super chique, bacanérrimo, lindíssimo, impecável.
No final do primeiro ato, quando acenderam as luzes do teatro eu estava totalmente transtornado de tanta emoção. O carão inchado, o nariz escorrendo, babando, ofegante, trêmulo. Um senhor sentado ao meu lado ficou passado e chamou os bombeiros de plantão. Os caras queriam me dar calmante, me colocar sedado numa camisa de força e me retirar de maca do teatro. Morri de vergonha. Todo mundo me olhando. Jorge Fernando, Gorette Milagres (ah, coitada!), até aquela mãe loura, a popozuda do funk. Eu queria morrer de vergonha. Um vexame.
Porque dar tanto detalhe ? Porque esse surto emocional ? Sei lá.
É como se os personagens de The Soud of Music fossem meus amigos íntimos, todos louros como eu, tão diferentes dos cariocas e tão iguais a mim, me identifico, parecem que foram companheiros de uma vida inteira. Corri a infância toda junto com eles, nos meus sonhos, pelos alpes austríacos.
E aquela música é a música do meu coração.
O que isso tem a ver com Copacabana ?
Nada. Tem e não tem. Sei lá. Ou até tem.
Isso tem a ver comigo. Tem tudo a ver comigo.

Dó: é pena de alguééém !
Alguém aí tem um papel Yes ?

Fotos - Jôka P.

27 comentários:

Eugênia Franco disse...

Jôka,
eu também sou meio fixada no filme. Disco de vinil da trilha eu tinha.
Tudo a ver com Copacabana e você: intenso, apaixonante. O filme, as músicas ... e o teatro será que chega por aqui? Eu queroooo....
Beijos!

DO disse...

Adoro este filme,JÔKA. Não tive a oportunidade de assistir ao musical,mas perdi as contas de qtas vezes vi o filme. No cinema,na tv e em casa ( vhs e dvd ).
A história é magica e emocionante. Não me surpreendo com sua reação,não.

Grande abraço!!

Flávia disse...

Aiiiiiii, eu também sou assim! Vixe... eu choro de soluçar, chega a ser constrangedor, para os outros, eu me acabo e fico aliviada. Quando eu assistia em casa, nossa, minha mãe tinha vontade de desligar a tv para não me ver chorar daquele jeito. Ah, eu me emociono mesmo.
E o Herson Capri de pai Von Trapp, tudo de bom! Aff.

Fiquei feliz Jôka, com sua visita de madrugada no blog!!!!! hehehe. Minha balada aqui é pior que a da Cinderela... é igual a da CInderela Juniar, termina as 8 da noite.
Beijos

Anônimo disse...

Olá Joka,
E agora, como é que vou fazer para conciliar a emoção (é, vc disse tudo...) com a vontade de dar risada quando for assistir "A Noviça Rebelde" e lembrar desse seu texto, hein? Corro o risco de me botarem pra fora, acho que vou ter que esperar um tempinho até esquecer um pouco.
Há uns meses que venho aqui + ou - 1 vez por semana. Não me lembro como cheguei, talvez ao digitar alguma coisa como busca. Esse seu jeitão de perceber e registrar as coisas é tudo de bom. Vivo aqui pertinho, no início do Leme, e também adoro a vibração desse espaço da cidade.
Um abraço
Maria

Jôka P. disse...

Oi, Maria !
Ontem depois do teatro fui tomar uns chopps no Sindicato do Chopp, aí na sua praia. Estava uma noite muito tranqüila, sem vestígio nenhum de tiroteio.
Hoje está um dia tão ensolarado e bonito, não é, vizinha do Leme ?!
Bom pra dar uma volta na Av. Atlântica.
Obrigado por suas visitas e por essa mensagem tão bacana !
Abç,
Jôka

Alziro Patafisico disse...

Jôka,
Fazer teatro no Brasil é muito dificil, teatro musical então nem se fala. As produções fazem um trabalho heróico deste, e você, sem a menor pena, vai e rouba a cena. Mais Respeito!!!! E Aquele é o Herson Capri? Ele continua gostosao???? Assim até eu choro...

palpi disse...

Louro, assisti ao filme, até mais de uma vez e mal lembro. Suponho que depois do "seu" espetáculo, você esteja se sentindo bem mais leve. :)
Sou louca para ir à Viena.
Beijos

Lila disse...

ih Jôka, então seríamos dois a surtar...rs...adoro a Noviça Rebelde, pena que esses espetáculos fiquem somente nos grandes centros...
beijos

Sonho Meu disse...

How do you solve a problem like Maria ???
Ameeeei esse filme. Ainda assisto muitas e muitas vezes durante o ano. E como a historia se passa em Salzburg melhor ainda.
Um ano desses viajando pra Vermont, onde a familia Trapp foi parar depois da II guerra mundial, pedí a meu marido pra gente visitar o hotel que eles tem por lá. Entre uma coisa e outra esquecemos de ir. Vermont é tao perto daqui que qualquer dia desses ainda vamos pra lá.
Ah...vc sabia que o filho mais velho da familia Trapp morreu a uns meses atras? Eu li no jornal...acho que ele tinha uns 75 anos.
bjs,
me

FINA FLOR disse...

é, O Charles é muito competente, mesmo ;-)

Joka, querido, obrigada pelo comentário inesperado no Fina Flor dizendo que sou uma estrela.

Fiquei toda boba!!!

Vá me ver, querido, nessa próxima quarta. Será o último dia da temporada ;-)

beijos e boa semana

MM.

ps: ando sumida por conta do Sol na Boca, você sabe.... Viu as fotos?

Diz disse...

Eu tb me emociono mto.
É bonito, tem glamour e solidariedade.
Coisa que nos falta hj.
Bjs Laura

Angela Ursa disse...

Jôka, na década de 60, eu assisti umas 3 vezes ao filme da Noviça Rebelde no cinema. Adorava a história e as músicas! E também tinha o disco. Na época, também teve uma montagem teatral no Brasil, com a Djenane Machado, filha do Carlos Machado. Ela fazia a filha mais velha da família Trapp. Deve ser emocionante mesmo essa nova versão musical! Adorei as fotos :)) Beijos da Ursa

Endora disse...

então, vou te contar duas, só pra vc não se sentir só nessa de musicais:

1 - gravei "Os Produtores", versão cinema com o Matthew Broderick e com a super Uma Kill Bill só pra pegar do início ao fim as coreografias de Springtime for Hitler. e treinar em casa. abafa.

2 - toda vez [eu disse TODA VEZ] que eu assisto Rent eu choro de soluçar e dar dor de cabeça. aquele final com a música Seasons of Love... ai... até dói de tão bonito.

Pronto, falei. =)

Klero disse...

Comentário fútil e inútil, mas...

Sempre lembro de um episódio de Friends que a Phoebe imagina toda uma cena da história, e acrescenta "mas sem os nazistas... se bem que aí a história ficaria uma chatice". =P

***fim do comentário desnecessário***

Silvia disse...

que lindo o seu post, tão sincero!! a peça tb deve ser bem bacana. As fotos ficaram ótimas. Boa semana!!!!

Paçoca disse...

Jôka querido,
Sinto que ainda resta uma esperança para esse mundo maluco que rouba óculos de estátua! Você e seus leitores me deixam feliz com tamanha sensibilidade para o que é belo! Como diria um amigo meu "choro até em inauguração de supermercado"
Yes nós temos papel!!
Um beijo da Paçoca

Queer Girls disse...

Jôka,
Te adoro, mesmo eu não gostando de musicais!Amigo é assim tbem, né?
Acho que é algo ancestral. Eu durmo, durmo, durmo.....uma espécie de sono incontrolável!Mais forte do que eu. Dizem que essa produção arrasa! Fico contente pelo Brasil estar fazendo coisas tão legais!
Agora, me coloca numa ópera??
Caixa de papel Yes é pouco!
Deve ser o sangue italiano nas veias! Um drama só! No palco e na platéria!
bjão e boa semana pra vc!

Ritoca disse...

Oi Jôka!

Eu tenho ouvido muitos elogios à este espetáculo. Pretendo ir ver.

Fico feliz de saber que vc foi e tb gostou.

Acho que ver a Noviça Rebelde de certa forma nos traz a nossa infância de volta e todas as emoções desta época.

Abs

Tony Goes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tony Goes disse...

Eu também sou fanático pela "Noviça"... quase assisti uma montagem agora em Portugal, onde ela recebe o nome de "Música no Coração". Aquelas músicas com o sotaque de lá devem ter ficado sensacionais!

Ah, e sabia que a Gorete Milagres já foi minha patroa? Fui redator do programa "Ô, Coitado" em 2000, há muitas encarnações atrás.

bjks!

Lu Olhosde Mar disse...

prefiro o Fantasma da Opera, ams está nos meus planos assistir a Noviça... faz parte, ne?? um beijoooooooooooooooo!

dofialho disse...

Crianças Louras correndo pelas pastagens...Com Copacabana ou não, é uma imagem interessante. me diverti! hauahuaa

Tina disse...

Oi Jôka!

Eu me lembro desse filme com tristeza e raiva ao mesmo tempo: coisas de primeiro namorado que me deu "cano" no dia de ir assistir... rs rs

Mas a peça está com produção linda, e quero ir assitir, com certeza.

Demonstrar emoção é viver, sabia?

Dear,sorry por não ter te encontrado, mas vou voltar logo, você já sabe dos motivos. Está tudo caminhando bem. Aguarde-me!!!

beijo grande e boa semana,

Engraçadinha disse...

Eu sentia esse fricote todo em relação ao filme com Julie Andrews.
Daí, fui trabalhar numa loucadoura, vi até o c... fazer bico e superei.
Mas tenho problemas séríssimos com E.T. até hj.
Bjs.

Chris Pessoa disse...

Hehe, Jôka! Eu tb sou super fã de musicais, mas nunca me emocionei tanto assim como vc não... hehe. Consegui me controlar. Eu queria muito ver esta montagem da Noviça Rebelde, mas acho que não vai dar... :-(((
Bjo!!!

Cristiano GO disse...

Jôka,
Adoro musicais... já sai de Goiânia exclusivamente para vê-los... já estou maluco para ver A Noviça Rebelde !

Binha disse...

Eu amo esse filme,já perdi as contas de quantas vezes eu assisti ^^