03 agosto 2006

Lenda carioca – Joana da Praça do Lido

Na Praça do Lido, em Copacabana, mora essa mulher com seu cachorro e seus gatos.
Armou duas barracas de praia em um canto, e vive lá.
Os gatos dormem numa velha mala de viagem.
Vivem com a ajuda de algumas pessoas que levam comida.

Você vai voltar, moço ?

Me contou que queria se chamar Maria, ou melhor ainda, Teresa.
Ela acha lindo se chamar Maria Teresa.
Mas como nasceu no dia de São João, foi chamada de Joana.

Joana do Lido.

Você vai voltar, moço ?


O gato maior e mais velho se chama Sarney.
É o único que tem esse privilégio, de ter um nome.

Você vai voltar ?

Joana-Maria, que não tem casa, nem família e nem certeza do nome.
A casa dela é a praça do Lido e sua família são um cão sem nome e os gatos.

Chuva - sol - praça - areia - tempo sem fim.

Você vai voltar ?

Ela não sabe ao certo que idade tem, e me diz, séria, “ Eu acho que tenho 199 anos”.

Joana, 199 anos, ainda não teve um único dia feliz na vida.
Mas jura que nunca vai desisitir de procurar.

Você vai voltar, moço ?

Aqui ninguém nunca mais volta.


Pergunta se eu vou voltar.
Se eu volto antes do fim do tempo.

(Quando é mesmo o final do tempo ?)

Volto aqui sim, Joana, Maria, Teresa.

Volto ainda antes disso.

( Aqui ninguém nunca mais volta. Aqui é o final do tempo.)

Fotos - Jôka P.

67 comentários:

Dani Ochsenhofer disse...

Tadinha da Joana... Acredito que nem todo mundo pára um minutinho sequer pra dar atenção á ela, assim como vc fez! Já te admirava, agora to admirando 10 vezes mais... E esse cachorrinho dela??? vira latinha mais lindo! beijo pra vc Jokinhaaa.

Liliane de Paula disse...

Jôka, Joana é feia e tem cara de bêbada e de gente ruim (risos).As fotos estão maravilhosas, como sempre. A gatinha dentro da caixa é que devia se chamar Maria Teresa.
Liliane

Janaina Staciarini disse...

Pura poesia, Jôka.
Adorei as fotos.

Ella Goulart disse...

Joka
Apenas uma alma artística como a sua poderia fazer um post tão lindo...Parabéns!
Ella

Taia disse...

Jôka, fotos lindas de uma realidade tão cruel.
Fiquei aqui pensando em Joana Maria Tereza, em quanto sofrimento ele passou e nada de alegria.
O que fazer por essa pessoa?
Voltar, dar comunida e só?
Eita realidade complicada...
Você tratou com delicadeza e poesia.
Lindo.
Beijo enorme.

DO disse...

Parabens,JÔKA.
Fiquei sem palavras...
É o fim ...dos tempos mesmo.

Abração!

ana de toledo disse...

Que bacana JÔka! Esse "tom" é perfeito!Você o encontrou!
Copacabana merece e agradece!
Lindo, envolvente e tocante!
Uma bela história pra contar!
(Eu, Fabio e Tomie já levamos ração pros animais dela! Tomie adora os gatos que dormem na caixa!!
Ela é sorridente ao falar dos bichos que são, como você disse, sua família.)
Super beijo

ana de toledo disse...

Que bacana JÔka! Esse "tom" é perfeito!Você o encontrou!
Copacabana merece e agradece!
Lindo, envolvente e tocante!
Uma bela história pra contar!
(Eu, Fabio e Tomie já levamos ração pros animais dela! Tomie adora os gatos que dormem na caixa!!
Ela é sorridente ao falar dos bichos que são, como você disse, sua família.)
Super beijo

Carol disse...

Jôka, achei como sempre muito delicado o retrato que você fez de Joana / Maria Teresa. Em função da violência que envolve a gente hoje em dia, realmente dificilmente paramos para conhecer e ajudar tantas pessoas que precisam da gente... medo, preconceito, "pressa", sei lá. E é incrível o poder que a arte tem nesses momentos, né? O poder que tirar uma foto tem. Além do poder de dar atenção a alguém por um minutinho...
Continue assim, amigo.
Bjo!

Palpiteira disse...

Jôka, meu louro, vc é ótimo, sabia? Ah, eu sei que sabia.
Tadinha da Joana, tantas vidas são assim.
Beijos, querido.

Andréa N. disse...

Caramba, que triste isso. Que lindo post, Joka. Voce mostra um Rio que tambem eh triste, mas continua lindo.
Beijo.

cilene disse...

¨fiquei tao triste...vc vai voltar? porque o Governo permite isso..???

Janaina de Almeida disse...

Olá Jôka,

a cada post te admiro cada vez mais.
Você sempre retratando Copacabana como ninguém, em todos os aspectos,com elegância, bom humor , com sensibilidade.
É muito difícil nos dias de hoje as pessoas olharem para os lados, numa sociedade que infelizmente as pessoas só olham pra si, mas nem tudo está perdido.
Não repare que estou meio chateada mesmo, tá bom?

Mil beijos e abarços,

Janaina de Almeida, Vila Isabel.

p.s.:vou sumir por uns tempos mas daqui a pouco eu volto , ah se volto.Beijos.

maria rezende disse...

Oi, estava passeando nas Arenas Cariocas da Olga e fiquei curiosa quando ela disse que não alcançava a sua delicadeza: eu adoro o que ela escreve, então resolvi vim conferir o elogio e tive que concordar. Muito bonito o seu olhar pro mundo, e o jeito que ele se revela pra gente. Vou ficar leitora! beijo, Maria

Ingrid Littmann disse...

Joka, esses seus personagens me tiram do eixo. Como você faz para aproximar dessas pessoas????????? Como você enxerga esse grupo, que você por ai na rua, buscando ou negando sua identidade.

Fascinante!!!!!!!!!Mais tiro minhas conclusões, ou você é muito artista ou deveramente corajoso.

Beijos

Chris disse...

Mas que tristeza! Pessoas nesta idade tinham que ter uma casa para morar e dinheiro para viver suas vidas com tranquilidade depois de ter trabalhado duro por vários anos... mas este é o Brasil. >:-/

Jonas Prochownik disse...

Jôca, triste, comovente e ao mesmo tempo belo teu Post. Bjs. do Pai.

Ella Goulart disse...

Desculpe Jôka, mas tenho que falar: essa Liliane de Recife é podre...O mulherzinha preconceituosa e fora da realidae...Como pode uma pessoa assim ser médica, lidar com vidas humanas...Leio alguns posts dela, qdo tenho tempo, e vejo que sempre usa esse tom de alpinista social..`.É uma coitada...Sou muito mais a Maria Tereza, disparado.
Falei!

Jôka P. disse...

Ella, não quero brigas aqui.
Aqui não é lugar pra isso.
Se começar a rolar barraco, tasco um moderador de comentários novamente.
Tá avisado.
Paz e amor !
:)

Yvonne disse...

Jôka, sempre via o seu nome como comentarista da Luma, confesso que não lia o comentário porque a Luma tem demais. Achava interessante alguém assinar com o nome de Avenida de Copacabana, mas nunca acessei a sua página. Meu Deus do Céu! Jamais me perdoarei por ter deixado de curtir um monte de coisas maravilhosas que você nos mostra. Eu me mudei para Guarapari há 7 meses, depois de ter nascido e vivido por 51 anos e meio na mais linda cidade do mundo - Rio de Janeiro. Não sei linkar ainda, mas o seu blog está na minha lista de favoritos. Muito obrigado pelas belas lendas que tenho lido. Beijocas calorosas

Márcia(clarinha) disse...

Jôka,
li, reli, olhei Jona Maria e rolei pra ler e reler.
Vida cruel né?
Tanta gente passa pelo mundo e não vive, não sorri, não tem amigos e pede aos céus que alguem volte,pede tão pouco.
Parabéns meu amigo, arrebentou em sensibilidade, em solidariedade, em verdade de vida que não é mole não...
Que todas as Marias, Joanas, Teresas tivessem um dia alguem que voltasse.
Lindo dia Jôka e meu carinho à Gigi
beijossssssssssss

Ritoca disse...

Oi Jôka!

Comovente a lenda de hoje. Fica mais triste ainda se a gente pensa quantas Joanas como ela existem no Rio e no Brasil.
Ótimo o seu registro e a sua disposição de ajudar. Se cada pessoa ajudasse um pouquinho, talvez houvesse menos pessoas tristes no mundo. Mas, a humanidade anda muito egoísta. E parece que cada dia fica pior.

Beijocas,

Ritoca

Lu OlhosdeMar disse...

estou em total estado de graça com nosso encontro. tenho milllllllllll malas pra arrumar. mil roupitchas pra lavar. cuecas, meu amigo. minha vida se resume num mar de ...cuecas. credo. vc viu a homarada né? beijosssssssssss


pra vc:
http://thumbsnap.com/v/9R8hkR6E.jpg

Lu OlhosdeMar disse...

ou clique aqui ( to tentando te mandar flores...dã.)


[URL=http://thumbsnap.com/v/9R8hkR6E.jpg][IMG]http://thumbsnap.com/t/9R8hkR6E.jpg[/IMG][/URL]

Lu OlhosdeMar disse...

ah sei lá.. vc fez e fciou tao lindinho..e aqui num funciona. buáaaaaaaaaaaa

Barbara Virginia Lucas - Babi - disse...

fortes estas fotos
fortes como o nome joana,
joana d'arc - queimada na fogueira
esta joana, queimada pelo anonimato urbano

susi disse...

Eu voltei pro avenida...cheguei de viagem. Ah...volta lá, vez em quando na Maria, Teresa, Joana...sei lá. Ah, Joka volta lá vez em quando vai? Eu voltaria...Senti muita empatia por ela. Um beijo, ví que perdi muito post por aqui. peninha!!!

dudv disse...

Poste impactante e poético...

Margarida disse...

Jôka, que poder você tem de aproximar a gente de alguém assim tão sofrido, com tanto para nos ensinar? Em frente à minha casa há uns seis deles, todos os dias, quem sabe não sigo teu exemplo? Amo teus posts, tuas fotos, puxa, amo este povo que você nos mostra tão amorosamente. Margarida.

Marilyn disse...

É o péssimo retrato do país.
Quantas e quantos estão por aí, sem dignidade, sem expectativas?
Quando vejo este tipo de cena, simplesmente fico a questionar a meus problemas... que não podem ser medidos ou comparados com os de ninguém, mas que parecem mínimos.
Ah, e eu sempre achei o nome Joana lindo.
E torço para que ela e todos os outros encontrem seu dia feliz.

Quel disse...

Vc consegue cada proeza, queria ter metade da sua forma de abordar as pessoas... me ensina? hehehe
o cheiro de tinta ainda tá fresco, daqui há pouco melhora rs
beijos

Vendetta disse...

Eu volto...
Tá vendo... moradores de rua tem mais apreço pelos animais que muita madame por aí...
Beijos, Jôka e desculpe a blasfêmia de ter colocado a Maysa nos bregas...
ótimo final de semana!

Mônica disse...

carac, JP...que tocante, viu???? só vc mesmo com sua sensibilidade pra retratar de uma forma tão bonita as mazelas da vida dessa coitada...

qto amulher de branco aí debaixo podia juntar com amulher de preto que anda aqui pelo condomínio onde moro...tá pensando que só em Copa é que os tipos doidos dão o ar da graça????

beijos...saudades...call me!

GENÁ FRANCO disse...

Jôka,
mais um lindo post poético sobre a falta de dignidade humana. E a Joana, Maria ou Tereza teve seus 15 minutos de fama, graças a você.
Beijos!

Taia disse...

Jôka, sabe de quem vc poderia fazer um retrato?
Narjara Tureta, é assim que escreve?
Ela vende coco, e as vezes está na mídia.
Ontem ouvi na rádio que ela anda pedindo dinheiro num Cyber, próximo ao Copacabana Palace para poder comprar um computador e que recusou um convite da Record por achar o papel sem expressão.
Pensei logo em vc.
Qual a realidade dela?
Mistério.....

Meire disse...

cheguei aqui atraves da Lu olhos de mar e ccom certeza eu "VOU VOLTAR AQUI".
Meire

Avassaladora disse...

Jôka, que legal, volta mesmo!!! Essas pessoas precisam da gente, não só de dinheiro, de carinho, de atenção, de ouvidos!!!
Tô com invejinha boa da Lú, que foi te conhecer... lindo isso!!!!
Beijos

Naldy disse...

Jôka, acredita que aqui na Holanda tb temos pessoas com d. Teresa, Joana?
Aqui, na maioria das vezes, essas pessoas consumiram drogas e esqueceram da vida, familiares.
O governo sustenta, mas elas vivem na rua, como a senhora do post.
Mas entao vc conheceu minha amiga jurássica Lu?
Gostei!
Te linkei tb ok?
BJS

Vera Fróes disse...

Jôka um dos melhores post que vc já fez. Sensível, sem julgar.
Já que vc está indo pelo caminho das lendas cariocas, porque não usar este material posteriormente para escrever um livro. Dou força!!!
Obrigada pelo carinho.

Bjokas.

Laura disse...

Joka, quantas serao as pessoas que se aproximam dela e puxam papo como voce fez, ne? Muito tocante! Eu gostei muito desse seu post. Volta la sim, de vez em quando.
Beijos

Lia Noronha disse...

Os olhos dessa mulher...expressam muito sofrimento...me emocionou!
Que muitos voltem e lhe ofereçam um pouco de atenção...essa vida é cheia de surpresas...mas Copacabana está demais!
Beijos mil

Laura disse...

Jôka, comovente e poético teu post. Vc está cada dia melhor. Parabéns!
vc viu a Estamira lá ano meu blog? se parecem na dor e no viver.
Pobre mulher.
Quem a terá deixado? possivelmente num tempo remoto foi abandonada e está a espera até hoje- enlouqueceu de abandono. Muito trite.
Bjão querido.
Laura

gugala disse...

ótima série...
continue assim.

Adão Flehr disse...

Belo post JôKa, comovente.

E saiba que eu sempre volto aqui, viu moço?

abraços,

Maria Bonita disse...

Joka, a situaçao ja é triste de se ver, e voce com a sua transmissao, bateu la dentro.

:(

Que triste.

Ju... disse...

Jôka,
Vim pela Laura e adorei seu estilo sensível e elegante de escrever.
Seu post sobre a Joana me fez lembrar um mendigo que bordejava pelas redondezas da minha faculdade. Falava inglês, francês e alemão mas não lembrava de casa, nem de família, nem de nada. Perturbador, não? Aqui, do conforto das nossas cadeiras ergonômicas, não conseguimos imaginar o que leva uma pessoa a acabar assim.
Beijo,
JU...

Caboclo sem dente disse...

As vezes eu me deparo com situações em que me lembro de Joanas....chocante. Fico me perguntando sempre o que se passa dentro da cabeça de uma pessoa nessas condições....Deus olhe por todos!

Cássia disse...

Jôka, esse post me fez lembrar de uma vovózinha, sem nome também, que vivia na rua porque, segundo ela, dava para ter atenção das pessoas, que paravam, conversavam, davam esmolas...
Uma amiga me contou que ela tinha casa e família, mas, não conseguia viver longe do movimento e da atenção que recebia dos passantes na rua.
Cada bairro tem a sua vovózinha carente...

Vera Vilela disse...

Como eu disse lá no meu blog, amor não precisa de muita coisa a não ser do próprio amor, os bichos a têm e ela os têm, amor sem compromisso, de qualquer jeito.
Maravilha de artigo, parabéns a todos, a você, a Dona Joana e seus bichos felizes e maravilhosos!
htt://www.encantandotempo.blogspot.com

Anônimo disse...

talvez a vida lhe pese como 199 anos, quem pode duvidar, né? e são mesmo tantas Joanas, Marias e Teresas que vivem nesse sofrimento arcaico de 200 anos atrás...

Marshall disse...

Excelente post cara! Sabe aquelas coisas que mexem com a gente de algum jeito? Coisas do tipo "Joana, 199 anos, ainda não teve um único dia feliz na vida.
Mas jura que nunca vai desisitir de procurar"... as vezes me acho egoista demais!
valeu, abraço e bom fim de semana

Blogue da Magui disse...

Esses moradores de rua sao um misterio. Embora more na rua , notei que tudo esta limpo.

Palpiteira disse...

Por que vc tá sumido? Passeando ou trabalhando muito? Saudades de vc.
Beijo, LL.

nane disse...

Vais voltar lá Jôka?

nane

Saramar disse...

Jôka, boa noite.
Lembra-se quando eu disse, há tempos, que você é um poeta?
Poeta das palavras e das imagens, coração de gente.
Que ser humano imenso você é!
Mais que me emocionar com Joana (lindo nome) ou Maria, ou Teresa, ou Maria Teresa, emocionei-me com você. Coisa que acontece demais.
Você é anjo e poeta e não adianta negar. Você não me engana.

Beijos

Marcia disse...

Joka adorei o vira lata da Joana! Se pudesse trazia todos os vira-latas do mundo pra minha casa :)

Claudio disse...

Caro Jôka, fotógrafo da alma de Copacabana, como dizia o poeta: "A volta é uma ilusão. A gente nunca volta, a gente tá sempre indo...."

Por isso eu nunca volto ao seu blog. Estou sempre indo nele. E indo para lugares lindos e através de emoções que você, com suas lindas fotos e textos, nos proporciona sempre.

Bom findi pra ti. Parabéns pelo post.

abração

Leleco disse...

Jôka,

O que mais querem estas pessoas não é dinheiro, é atenção e carinho. Uma conversa é mais valiosa do que qualquer dinheirinho...

Belo post, Jôka, você soube mesclar bom humor com um assunto sério com muita classe, criatividade e emoção. Parabéns mesmo!

Um abraço,
Leleco

Laura disse...

Jôka tuas flores me fizeram sorrir hoje, sábado de noite, sozinha, tristonha. adorei o gostosa, mas acho que gostoso é o gato que mergulha lá ,né?
hihihi ah vc...
bom, acho que aquele pprêmio é presente de grego mesmo, já desconfiava... :) é bobagem.
Bjos querido que tenha um domingo lindo, como vc merece.
Vc conhece a Oriana? que anda de branco em Ipanema? é famosa, andarilha, acho que mora na barão esquina com maria quitéria, foi casada com o Marco Valle ou o Paulo Sérgio, não lembro mais. merece um post.

Angela Ursa disse...

Amigo Jôka, antes tarde do que nunca! :)) Vim fazer uma visita da madrugada. Estou adorando essas lendas cariocas!! A Joana me lembrou muito uma senhora que fazia colchas com retalhos sentada na calçada da Gustavo Sampaio há muitos anos. Será a mesma pessoa?!! Beijos saudosos da Ursa!!!
PS: O novo provedor ainda precisa de ajustes. Pensei que tudo ia funcionar super bem, mas me enganei.

Marcus disse...

Nossa, Jôka, poesia pura! Parabéns pelo belo post. Espero que a Dona Joana-Maria-Tereza encontre muita ajuda! Um abraço, Jôka.

Lila disse...

Jôka, acho que vc. levou um pouco de esperança pra essa mulher...
beijos e bom domingo!

Milady disse...

Jôka, um post poético e realista! Infelizmente assim é a vida de milhões de pessoas pelo Brasil a fora, carentes não só do dinheiro para levarem uma vida digna, mas da atenção das pessoas que passam por ela todo santo dia, e que simplesmente fingem que essa pessoa não existe... Aliás, para estes, nem poderia se dizer que é pessoa... Tenho certeza que somente pelos minutos de atenção que vc lhe dedicou ela já deve ter tido alguma felicidade! Você é nota 10! beijão

Vera Fróes disse...

Jôka obrigada pelo carinho no dia de ontem. Vc ajudou a me deixar super-hiper feliz!

Bjokas.

Dani disse...

Joana é só uma das milhares de pessoas que vivem desse jeito por esse Brasil afora.
E, embora sejam maioria, parecem invisíveis ao governo e às outras pessoas.
Chame-a, de agora em diante, de Maria Teresa, pois Joana pode ter o nome e a idade que quiser... :-)

Bjs, Jôka.

Anna D' Castro disse...

Oi Jôka, que triste e comovente relato. Pobre mulher, eu conheço-a de passar por lá e ver aqueles gatitos todos à volta dela, como se fosse a mãe-gata e para ela são os filhos que talvez não tenha tido. Quando voltar a passar por lá, vou prestar mais atenção nela e seguir o seu exemplo de levar um pouco de ração para os bichinhos e uma palavra de conforto à pobre Joana-Maria-Teresa. Parabéns Jôka e meu carinho pra vc, me deixou demasiado comovida e emocionada.
Suas "matérias" estão cada vez mais apaixonantes.
Um beijo, tenha uma boa semana.
Anna

Luci disse...

Jôka! lindo vir aqui e encontrar lendas... vistas pelos olhos de um poeta!
bjs!